quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Existe Diferença entre Lei e Mandamento ?

Embora o termo " a Lei " e a palavra " mandamento" é freqüentemente usadas de modo intercambiável na Bíblia, o Evangelho de João faz uma nítida distinção entre eles. A expressão " a Lei " aparece quatorze vezes no Evangelho de João. A palavra " mandamento" também aparece aproximadamente quatorze vezes.

É sabido que o Evangelho de João é um livro de controvérsias. O livro descreve uma grande confrontação entre Jesus e a Lei, entre o mandamento de Cristo ou do Pai e a Lei, entre Jesus e Judaísmo, e entre a igreja e a sinagoga. Gutbrod declara que João " não tem nenhum interesse particular na Lei como uma possibilidade para regular o ser humano ou até mesmo para prática Cristã. '' Ele também diz que em João " a Lei nunca é usada como a regra de conduta Cristã para a igreja. '' por outro lado, no livro de João, Jesus repetidamente deseja que seus discípulos obedeçam os seus mandamentos.

Em todos, excetuando-se apenas uma vez, o termo lei aparece acompanhado de artigo definido. Sempre aparece o termo "a lei", veja:

"a lei foi dada por intermédio de Moisés." João 1:17.

" Felipe achou a Natanael, e disse-lhe: Acabamos de achar aquele de quem escreveram Moisés na lei, e os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José" João 1:45.


A "Lei" em pauta, é claro, se refere à Lei de Moisés. É o corpo de instruções revelado a Moises que constituiu a base para a vida social e religiosa de Israel. É o corpo de revelação divina dado a Moises. Em um contexto mais lato no Evangelho de João, porém, o termo " a Lei " recorre não só aos cinco livros de Moisés mas também inclui os Salmos e os livros proféticos do Velho Testamento e, realmente, o próprio Velho Testamento inteiro.
Por exemplo: "Tornou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses?" (João 10:34; cf. Salmos 82:6). E novamente: " Mas isto é para que se cumpra o que está escrito na Lei : ' me odiaram sem razão. " (João 15:25; cf. Salmos. 35:19; 69:4).
Em algumas passagens Joanina a expressão " a Lei " pode recorrer à Lei de Moisés em sentido não específico.

Observe:

"Moises não lhes deu a lei? Contudo nenhum de vós pratica. Por que procurais matar-me?"João 7:19.

"Ora, se um homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja violada, como vos indignais contra mim, porque no sábado tornei um homem inteiramente são?"João 7:23.


Em outras situações o termo " a Lei " tem o significado específico de uma ordenação legal:

"A nossa lei, porventura, julga um homem sem primeiro ouvi-lo e ter conhecimento do que ele faz?" João 7:51.

Mas sempre que o termo " a Lei " é usada no Evangelho de João, refere-se à Lei do Velho Testamento conhecida como a Torah dos judeus. João ensina que esta Lei de Moisés apontava para Cristo. É uma profecia sobre Cristo. Quando os judeus confrontaram Jesus e o acusaram de estar quebrando a Lei por curar no dia de sábado, eles o renegaram como um pecador fora da lei e então tentaram mata-lo. Fazendo isto, João mostra que os judeus eram infiéis à sua lei (veja João 7:19). Além disso, João mostra que Moises testemunhou de Cristo. Se os judeus tivessem sido fiéis à Lei, eles teriam abraçado Jesus como o Messias deles e Salvador em lugar de ter tentando mata-lo (João 7).

João também ensina que a Lei não só aponta para Cristo; não só é uma profecia sobre Cristo; mas a própria Lei é substituída por Jesus. Este pensamento é tecido ao longo do livro de João, mas é apresentado especialmente no prólogo de João 1:1-18.

Vejamos:

"No princípio era a Palavra [verbo], e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele estava no princípio com Deus; todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava vida, e a vida era a luz dos homens"

"Ninguém nunca viu a Deus; o Filho unigênito que está no seio do Pai; é quem o revelou" João 1:1-4,18


Os estudiosos descobriram que este prólogo Joanino é derivado de um hino pré-cristão composto por poetas rabínicos em elogio à Torah judaica. Os rabinos diziam que a Torah era a Lei, sabedoria, palavra. Eles diziam que a Torah estava desde o princípio com Deus e era o instrumento pelo qual Deus fez o mundo. Era o tesouro de Deus. A Torah estava desde o princípio no seio de Deus. Estava cheia de graça e verdade. João pega este hino pré-cristão em elogio à Torah e transfere a honra da Lei para Cristo. Jesus substitui a Torah.
Em outro lugar no livro de João, expressões como luz do mundo, água da vida, pão da vida, bom pastor, caminho, verdade e vida que os rabinos ensinavam designando à Lei judaica, agora é transferida para Jesus Cristo. Cristo é o fim a quem a Lei aponta, o que é o cumprimento da Lei, o que agora substitui a Lei, e a substitui como a revelação final de Deus.

Com a vinda de Cristo a Lei perdeu aquele valor que tinha antes, ela não tem o mesmo significado para João ou para a comunidade Cristã nascente. A revelação suprema de Deus não veio com Moisés, mas com o Filho de Deus. Por isto a regra suprema de vida para a comunidade Cristã não pode ser a Torah ; mas deve ser a palavra que sai diretamente de Deus para o Filho que é os mandamentos de Jesus.

É significativo que o livro de João apresenta a Lei como a Lei dos judeus. Nos lábios de Jesus no Evangelho de João, a Lei se torna invariavelmente "sua Lei", a Lei deles isto é, a Lei dos judeus.

Assim temos:

"Ora, na vossa lei está escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro." João 8:17.

"Tornou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses?" João 10:34.

" Mas é para que se cumpra a palavra que está escrita na sua lei: "Odiaram-me sem causa" João 15:25.


Observe que João coloca palavras semelhantes na boca de Pilatos, de Nicodemos e dos judeus:

"Disse-lhes Pilatos: 'Levai-o vós e julgai-o segundo a vossa lei ".João 18:31.

"Condena a nossa lei alguém sem primeiro ouvi-lo para descobrir o que faz?" João 7:51.

"Os judeus insistiram, " Nós temos uma lei, e segundo essa lei ele deve morrer, porque se fez filho de Deus " João 19:7.


No quarto evangelho a "Lei" é caracterizada constantemente como "a Lei dos judeus".
João, escrevendo perto do fim do primeiro século, reflete a mesma visão da Lei como havia feito Jesus. A pessoa que ler seu evangelho percebe claramente uma certa distância pela qual a lei está sendo encarada e como é associada de algum modo especial com os judeus.

Em João a Lei não é usada como uma regra de vida para a comunidade cristã, porque Cristo, a quem a Lei apontou já veio. Ele substituiu a Lei como uma revelação de Deus. Todos os títulos de honra que o os rabinos deram à Lei, João transferiu para a pessoa de Cristo, de forma que a Lei se tornou [para os judeus] "sua Lei" agora, a "Lei deles", " a Lei de Moisés, " a Lei dos judeus". Enquanto a Lei é valiosa porque tem profeticamente apontado para Cristo, João já não pode avaliar isto como um judeu avaliaria, ou seja, segundo os moldes do rabinismo. Para ele a devoção para com a Lei já não caracteriza os filhos de Deus. A devoção que os cristãos devem prestar agora é para com Cristo.

A fé cristã nos obriga a encarar o testamento de Deus, não como revelado na Lei, mas como revelado na pessoa de Cristo. A revelação que passou por Moisés era uma revelação mediada. Não veio diretamente de Deus, porque Moisés nunca viu a Deus: "Ninguém jamais viu a Deus. O Deus unigênito, que está no seio do Pai, esse o deu a conhecer." (João 1:18). Ao contrário, ao longo dos escritos de João vemos constantemente que a revelação por Jesus Cristo é superior a Moisés porque Cristo foi ensinado diretamente por Deus. Ele realmente é a Palavra de Deus em carne. Nas palavras de Jesus o que importa obedecer não é mais a velha lei mas os mandamentos Dele.

Primeiro, foi mandamento do Pai que Jesus desse sua vida pelas ovelhas:

"Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho [autoridade] para a dar, e tenho [autoridade] para retomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai." João 10:18

"E sei que o seu mandamento é vida eterna. Aquilo, pois, que eu falo, falo-o exatamente como o Pai me ordenou." João 12:49, 50

"mas, assim como o Pai me ordenou, assim mesmo faço, para que o mundo saiba que eu amo o Pai. Levantai-vos, vamo-nos daqui." João 14:31

" Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor." João 15:10


Percebemos então que a ordem do Pai que Jesus obedece não é a Lei de Moisés; é a ordem para dar a vida Dele como um resgate por muitos - é o mandamento do amor sacrificial.
Outra questão significativa é que a palavra " mandamento " não só tem o significado de mandamento do Pai para Jesus, mas também do mandamento de Jesus para os discípulos dele, vejamos:

" Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros " João 13:34

" Se me amais, guardareis meus mandamentos ". João 14:15.

"Aquele que tem meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama". João 14:21

" Se guardardes meus mandamentos permanecereis no meu amor... ". João 15:10

"O meu mandamento é este : Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" João 15:12

" Vós sois meus amigos se vos fizerdes o que eu vos mando ". João 15:14


Os mandamentos de Jesus é "que nós nos amemos uns aos outros como Ele nos amou ". A expressão " eu vos amei" é o mandamento que o Pai ordenou, de forma que, para os discípulos obedecerem o mandamento precisam primeiro refletir sobre o amor do Pai em Cristo.

Assim, em resumo nós reconhecemos que João distingue a Lei que passou por Moisés dos mandamentos que passa por meio de Jesus. João evita usar o termo ' lei " ou " nova lei" para o Novo Testamento que veio por Jesus Cristo. Ao invés disso, ele usa a palavra " mandamento" . João não usa a expressão "a lei" nem nas suas epístolas, no evangelho ou no livro do Apocalipse. Parece que ele abandona a termo " lei " ao tentar expressar nossa obrigação para obedecer a Palavra de Deus. Nos escritos de João, Jesus, não define um código novo de regulamentos para a comunidade Cristã. E Paulo tampouco dá detalhes sobre a ética cristã. O ensino deles é profundamente espiritual. É centrado na mesma pessoa de Cristo.

Portanto, quando os apostolos falam em guardar seus mandamentos no NT, temos de levar em consideração o contexto da Nova Aliança em Cristo e não mais o da Antiga, temos de levar em conta a cruz e não mais o Sinai.

Autor : Prof. Paulo Cristiano
Presbitero da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, professor de religiões, vice-presidente do CACP e escritor.



Um comentário:

Anônimo disse...

como está escrito não devemos guarda o sinai e sim a nova aliança,por que na igreja de voces tem benção de efraim campanha no monte sinai,etc Edilson da ig.de Deus Inter Ir Eli Soriano